Departamento Pessoal
Departamento Legal
Departamento Fiscal
Departamento Contábil
Facilitador Contábil
Jurisprudência
Impostos em Atraso
Modelos de Documentos
Certidões Negativas
Secretaria Fazenda RS
Ministério do Trabalho
Receita Federal
Previdência Social
SINTEGRA
SIMPLES
Legislao Federal
Legislao Municipal
Legisl. Previdenciria
Agenda Tributria
Hora Oficial
 
 
 


NOTÍCIAS

Micro e pequenas empresas: sete dicas para evitar a falência
13 de outubro de 2015
As micro e pequenas empresas foram responsáveis por 52% dos pedidos de recuperação judicial no primeiro semestre de 2015, de acordo com dados da Serasa Experian. O aumento dos juros e as restrições de crédito levaram muitos empreendedores à instabilidade nos negócios. O CEO da Ejafac, consultoria paulista especializada em administração de crises empresariais, Elias Rocha Azevedo, listou algumas dicas para micros e pequenos empreendedores evitarem a falência. Vamos a elas:
1. Foco no empreendimento
É fundamental que os sócios estejam focados no negócio. Não basta a presença física. É preciso disciplina para avaliar os riscos. “Muitas empresas enfrentam dificuldades por terem atribuições de presidência ou diretoria delegadas a gerentes. Há casos em que a própria identidade da empresa é substituída por valores e interesses de terceiros”, aponta. Segundo ele, o empreendedor não precisa ser especialista em todas as áreas do negócio ou conhecer as legislações vigentes, mas deve ter noção do todo para poder questionar sobre problemas e discrepâncias. Para evitar os problemas financeiros, é recomendado acompanhar variações mensais das receitas e despesas mais relevantes, como impostos e folha de pagamento. E, é claro, analisar com lupa as despesas financeiras decorrentes de empréstimos, por exemplo.
2. Atenha-se à realidade
Em momentos de crise, muitos empreendedores passam apenas a analisar os dados positivos para o negócio, restringindo seu conhecimento da situação a informações que parecem favoráveis. “Relatórios gerenciais que contemplem todos os aspectos relevantes da operação devem ser feitos e cuidadosamente revisados.” Isso porque, pior do que não ter as informações, é tomar decisões com informações erradas. Importante: empreendedor não deve se deixar levar por eventuais vaidades que ter um negócio traz. Deve sim se preocupar com os níveis de endividamento de curto, médio e longo prazo.
3. Ouse certo
É comum o empresário buscar refúgio no otimismo e na esperança de dias melhores. Isso é muito importante, mas não funciona para a administração de dívidas. Renegociar o endividamento buscando melhores taxas e prazos é excelente, desde que a empresa cumpra com esta repactuação. A ousadia deve ser concentrada na busca por inovação, novos nichos de mercado e oportunidades, e não na tomada de recursos impagáveis.
4. Coloque a razão à frente da emoção
Para que o negócio dê certo, é preciso agir com a razão. Analisar friamente os resultados obtidos e ser cauteloso nas decisões de investimentos futuros, que podem representar o sucesso, mas também a ruína. É comum situações em que os laços afetivos dos sócios com os negócios impedem que se vejam os problemas. Investimentos que extrapolem a capacidade financeira da empresa, ou com prazos de retorno são morosos e custosos, devem ser evitados, segundo Azevedo.
5. Se não vai ouvir, não gaste
Buscar conselhos de pessoas independentes e imparciais pode ser proveitoso. Advogados, contadores, o Sebrae ou consultorias especializadas são algumas alternativas. Mas o empresário não pode gastar com isso se não estiver interessado em, de fato, ouvir o que têm a dizer. É fundamental estar aberto a opiniões contrárias, e avaliar críticas e sugestões com humildade: muita gente pode te ajudar se você souber ouvir.
6. Separe a pessoa física da jurídica
É comum que o padrão de vida do empreendedor cresça à medida que a empresa cresce. O contrário é mais difícil de acontecer. Altas retiradas em períodos de crise afetam o caixa da empresa, além de aumentar o endividamento e a capacidade de geração de receitas. Os cortes de custo podem, muitas vezes, começar no ambiente doméstico.
7. Reconheça quando é melhor parar
Nem sempre é possível salvar uma empresa da falência. O empresário pode ter perdido o timing do pedido de socorro, o negócio pode ter se tornado ruim em termos de rentabilidade e de mercado, ou os sócios podem não ter o perfil necessário diante das atuais exigências do mercado. É preciso buscar ajuda e, se for o caso, saber parar. É comum ver empresários queimando patrimônio para tentar salvar um negócio sem que o real problema seja diagnosticado, às vezes perdendo oportunidades para vender a empresa ou encerrar atividades para não ampliar as dívidas. A recuperação judicial pode ser uma alternativa, desde que o processo seja orientado por profissionais com expertise nisso e baseado na remodelação do negócio sob premissas factíveis. A palavra é, neste caso, planejamento.
Fonte: Jornal do Comércio